terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Acabo de receber uma mensagem: "para todos os efeitos agora moras em barcelona". obrigada, sempre quis lá morar uns tempos e agora lá estou. e aqui, e por vezes em Lisboa. às vezes em todo o lado, a maior parte das vezes em lado nenhum. Alguém me dá boleia para casa, by the way?

no borders

fotografia emprestada

eu diria: volem pakis aquí! bons provedores de internet e coisas afins, sempre onde são precisos e às horas certas. Paquistão escuta, na frança também se labuta!

"temos de falar"

só se me apanhares primeiro

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

de volta aos negativos

Terra gelada por todos os lados, pés ,e extremidades em geral, bastante desconfortáveis. Sei que ainda não é tecnicamente neve, mas para mim já conta. Dadas as actuais condições atmosféricas é impossivel esperar algo ou alguém na rua, assim, desenvolvi, recentemente ,o hábito de entrar nas tabacarias e procurar incessantemente revistas que sei ,a priori, que não terão. E porque este frio enlouquece qualquer um, hoje ao caminhar para casa, pois os dez minutos de espera pelo autocarro( uma vez mais, o autocarro!) me pareciam insuperáveis com vida, pensei que era uma ideia válida comprar umas perneiras. Já imaginava cores e feitios. Felizmente o aquecimento-civilizado-central, o chá e o cheiro a arroz doce, trouxeram-me de novo a sanidade mental.


mental note:

ao partilhar uma casa, nunca, mas nunca, escolher o quarto mais perto da casa de banho. O que se ganha em corridas para lá, não compensa os acordares fora de hora.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

depois do parque, do bosque e da malha urbana, a última fronteira é jogging no cemitério.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

odiar autocarros #1

Não consigo perceber qual é a cena de os autocarros terem sempre o mesmo número e , no entanto, aparentemente, fazerem percursos aleatórios. E a resposta está sempre na alinezinha, numa letra bem pequenina, por baixo do horário, e é sempre, por acaso, naquela quarta-feira às 17:27a

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

adoro domingos quando não sei em que dia da semana ou do mês estou. odeio-os, geralmente, todas as outras vezes.

twin peaks maintenant en français

bois de quelque chose que não sei o nome

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

sinais do tempo

a paragem a seguir à minha chama-se jeunes sourds. no país onde os cegos são mal voyants e os surdos mal entendus, sempre que lá passo, não consigo deixar de sorrir ao imaginar os pequenos surdinhos que terão sido homenageados desta forma.


segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

começo a compreender o interesse pedagógico duma boa bofetada. Ao menos isso prender-lhes-ia o interesse.

domingo, 2 de dezembro de 2007

em homenagem às minhas bandeirinhas

Paris, fim de semana passado

Diverte-me sempre ver a proveniência dos meus visitantes. Embora já me tenham provado que pode aparecer aqui, não importa o quê, há alguns sítios em que sei exactamente quem me lê.
Não vai durar muito o periodo de vigilância, prometo.

update do putain!

Afinal parece que é mesmo um palavrão. Nas palavras de um francês, se for aplicado a uma pessoa na forma directa, significa p*ta, se escapar, nomeadamente no inicio duma frase, será equivalente a f*ck.

Assim sendo não percebo como é que o miúdo não foi para a rua, Já assisti irem por bastante menos.

"ce n'est pas parce que tu es flic que tu es con, c'est parce que tu es con que tu es flic"*

Primeiro contacto com a policia francesa. Nada a assinalar, policia é policia em todo lado.

*"não é porque és bófia que és 'chato'**, é por que és'chato' que és bófia"
**tradução benevolente

no bosque

Splatch! uma pinha a meus pés, afinal mexe-se e volta rapidamente a trepar pela árvore acima. 10 segundos depois, "ah um esquilo", ainda não estou habituada à mudança repentina de fauna.

"squirrels are just rats with cuter outfits"

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

maldita raça estudantil

o corte de estradas previsto afinal não passou de quatro pessoas a tentarem não ser atropeladas, resultado, não só consegui ir trabalhar, como foi um dos piores dias de sempre.















Parc de Blossac

terça-feira, 27 de novembro de 2007

mas está marcado um corte das entradas e saídas do centre ville para as seis da manhã..talvez amanhã não trabalhe

#1 work kills



Pink Martini, je ne veux pas travailler

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

"jusqu'à qu'il n'y ait plus que la rue"





Manifestação estudantil nocturna.Objectivo: fazer o maior barulho possível e não deixar a cidade dormir.

Aqui as faculdades estão bloquedas desde o inicio da semana, assim como alguns liceus. Estradas foram também cortadas. Assim se reage por aqui à nova lei universitária.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

putain!* -7ºC

o meu corpo bem avisava que a temperatura não era do seu agrado, mas foi preciso dizerem-me para ficar verdadeiramente ciente do frio que se faz cá sentir.





barulho de fundo: les simpsons, a voz do Homer é algo de inexplicável nesta língua
*não é a gros mot que se pode pensar, já ouvi alunos a dizerem-na na aula e a professora não os pôs na rua. Ainda indago qual será o seu equivalente.

domingo, 18 de novembro de 2007

Poitiers 86000



Ao fim de um mês, mais coisa menos coisa, mudei de casa, mas fundamentalmente, mudei de cidade. Na verdade Poitiers não parece uma cidade, ando por todo o lado a pé, porque está demasiado frio para ficar na paragem à espera do autocarro, tenho um bosque mesmo por trás do cemitério que delimita o meu bairro e em dois tempos se conhecem as caras que todos os dias vejo na rua.
Um quarto da população de Poitiers é jovem, muito à custa da Universidade, que é provavelmente o motor da vida social da zona. Já me disseram que isto no verão nem se mexe, mas por agora, vão acontecendo coisas.

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Enganados